Archive for the ‘cinema’ Category

Criaturas do carvalho

janeiro 7, 2009

sunshinefishing

Blood and water
round and round
beneath my skin
and underground

Nem sempre é necessário usar um computador para fazer uma pequena obra prima em animação. Christiane Cegavske demorou 13 anos para finalizar a premiada fábula adulta Blood Tea and Red String. Feita em stop-motion, com influências que vão de Lynch, Irmãos Quay e Jan Svankmajer, a animação conta a disputa entre os aristrocatas “Ratos Brancos” e as Criaturas que Habitam o Carvalho” por uma boneca.
O detalhismo dos cenários e personagens é estonteante! Christiane conseguiu criar um mundo, que mesmo colorido, é assustador como um pesadelo na infância. A falta de diálogos parece ser essencial, fazendo a trilha sonora de Mark Growden um elemento tão importante que seria impossível imaginar o filme sem a flauta que um dos habitantes do carvalho usa em algumas cenas do filme. Blood Tea and Red String é uma daquelas animações que lhe causaria um trauma caso tivesse assistido quando criança.

capa-blood

Christiane Cegavske – Blood Tea and Red String (2006) [Torrent]

Anúncios

Christmas on Mars: é hoje!

novembro 11, 2008

Mais um produto da genialidade lúdica de Wayne Coyne será lançado hoje. O filme Christmas on Mars começou a ser filmado em 2001 e só foi finalizado em 2005. Tudo gravado no quintal da casa de Wayne e nos arredores de Oklahoma City, utilizando sucatas e fábricas abandonadas como cenários.

A história simplista conta como seria um natal em um Marte colonizado. Wayne disse que o filme é uma mistura de Dead Man com Eraserhead. O DVD será lançado em três edições diferente: a tradicional com um simples DVD, uma versão com a trilha sonora e a “Mega Deluxe Edition”, que conta com o DVD, a trilha, uma camiseta limitada, uma réplica de um ingresso da turnê de exibição do filme, alguns cards e adesivos, e uma caixa de pipoca assinada pelos membros da banda.
Todos os fãs de Wayne Coyne esperaram ansiosamente por esse dia. Agora é correr e garantir uma dessa edição luxuosa. Eu já corri.

Danielson

novembro 4, 2008

O pessoal da Pitchfork está disponibilzando online o filme A Family Movie, um documentário sobre o Danielson. Corre porque vai ficar no ar somente essa semana. Imperdível!

poster noir da madrugada #3

outubro 21, 2008

Bob Le Flambeur (1956)

poster noir da madrugada #2

outubro 17, 2008

The Third Man (1949)

poster noir da madrugada #1

outubro 16, 2008

Cat People (1942)

uma semana melhor

setembro 15, 2008


“the world didn’t come to an end.”

setembro 12, 2008

Bill Melendez conheceu Charles Schulz em 1959, quando animava pela primeira vez Charlie Brown e sua turma para um comercial da Ford. Os dois viraram grandes amigos e Melendez se tornou a única pessoa autorizada a animar os personagens. O famoso pulinho de alegria e a “voz” de Snoopy são alguns dos pequenos detalhes que marcaram as animações de Peanuts, graças a Melendez.

Nascido no México, Jose Cuauthemoc “Bill” Melendez foi contratado pela Disney em 1938, onde participou de clássicos como Fantasia, Dumbo, Bambi e Pinóquio. Alguns anos depois, animou episódios do Pernalonga, Patolino e Gaguinho para a Warner. Dai para frente, Melendez ganhou centenas prêmios com suas animações e comerciais, chegando a ganhar um Oscar de melhor curta de animação em 1951.

Ele faleceu no último dia 2, com 91 anos de idade. Acho que Melendez teve um dos melhores trabalhos que alguém poderia ter. E faço aqui uma pequena homenagem ao dono dos traços essenciais para a minha infância.
Foram produzidos quatro especiais com os personagens de Schulz. Coloquei os dois primeiros aqui, junto com as respectivas trilhas sonoras, compostas pelo mestre Vince Guaraldi, que merece um tópico próprio, por sinal.

A Charlie Brown Christmas (1965)

Vince Guaraldi – A Charlie Brown Christmas (1965)

A Boy Named Charlie Brown (1969)

Vince Guaraldi – A Boy Named Charlie Brown (1969)

“Idiots”. It’s for you.

setembro 5, 2008

Não sou um grande conhecedor da música clássica e nem me arrisco a analisar alguma obra, muito menos a do mestre Ennio Morricone. A frase do titulo foi retirada daquele que talvez seja o filme mais completo da história: Il Buono, il brutto, il cattivo. Uma grande porcentagem de todas as sensações que esse filme transmite se deve a trilha sonora.
Mas esse é apenas um exemplo da grandiosidade de sua obra completa. Poderia citar maravilhas sonoras como Cinema Paradiso, Os Intocáveis, Antes da Revolução e os filmes do Sergio Leone, claro.
Esse DVD foi gravado em 2003 na Itália e mostra o mestre conduzindo seus melhores trabalhos na maravilhosa Arena. Um deleite para o seu fim de semana.

Ennio Morricone – Arena concerto (2003)

off-road movie

agosto 15, 2008


Tem momentos em que o silêncio fala mais forte e alto do que qualquer palavra. O filme Old Joy (2006) se baseia nisso para mostrar o vazio deixado pelo tempo entre a amizade de dois amigos que não se vêem há algum tempo.
Fui atrás desse filme só por causa do Will Oldham e do Yo La Tengo. Não conhecia nada do diretor Kelly Reichardt e fiquei surpreso com a simplicidade e minimalismo absurdo desse filme sobre a amizade.

Baseado em uma história curta de Jonathan Raymond, que também escreveu o roteiro junto com o diretor, o filme mostra Mark (Daniel London) e Kurt (Will Oldham), velhos amigos que resolvem fazer uma caminhada pela floresta de Portland, em direção a uma estação natural de águas térmicas. Durante o passeio de dois dias, eles conversam sobre os velhos tempos e sonhos nunca realizados.
Em um certo momento, Kurt comenta sobre um sonho que teve onde ele estava comprando um caderno de anotações e uma mulher o abraça e diz que “tristeza não é nada mais do que alegria desgastada”. O vazio na amizade é essa alegria desgastada. Essa velha alegria.
E como toda jornada tem um fim, a dos dois terminam na mesma rua em que se conheceram, quase que completando o circulo da amizade. É uma despedida sem cerimônias, nada comparado aos momentos íntimos que tiveram enquanto estavam entre as árvores. Fica a incerteza de como tudo vai continuar, mesmo parecendo que tudo continua a mesma coisa.
Outra coisa que me chamou a atenção foi a fotografia do filme, feita por Peter Sillen em Super 16mm (convertido depois para HD). As cores da floresta de Portland são radiantes! E a trilha sonora delicadamente feita pelo Yo La Tengo segue o ritmo do filme de forma perfeita, quase imperceptível.

Old Joy é um road movie diferente. Sem carros e estradas, somente dois caras buscando uma reflexão sobre o estado em que estão. Um filme sobre e para homens simples.


[Torrent + Legendas]