Posts Tagged ‘soundtrack’

Castanets

outubro 2, 2008

Como o próprio nome do disco sugere, o novo do Castanets tem uma enorme carga sentimental no que se diz respeito ao isolamento. O fato das canções terem sido gravadas durante três semanas em um quarto de hotel no deserto de Nevada, ajudou a carregar esse clima do disco.
Ray Raposa criou uma trilha sonora fictícia para algum filme nostálgico, utilizando ruídos que ecoam entre as canções e interlúdios de guitarras que lembram as trilhas dos spaghetti westerns. Depois foram adicionadas algumas pequenas passagens de amigos como Sufjan Stevens, Dawn Smithson (Sunn O)))) e Scott Tuma (Souled American).
City of Refuge é uma paisagem desolada. Talvez com alguns coiotes e lagartos passando por ali, mas nada mais que isso.

Castanets – City of Refuge (2008) [Asthmatic Kitty]

Anúncios

Skip James

setembro 11, 2008

I laid down last night, tried to take my rest
My mind got to ramblin’, like a wild geese
From the west, from the west

Ouvir esse disco é como ouvir um telefonema direto dos anos 30, graças a Mississipi Records. Eles não tem site e nem lançam CDs. Eles compilam canções de artistas obscuros de folk, blues e americana, tudo em edições limitadas em vinil. O último lançamento deles é esse resgate de 12 das 18 músicas que continuam audíveis da primeira gravação de Skip James, de 1931. Depois dessa sessão, ele ficou mais de 30 anos sem gravar, só voltando a fazer isso quatro anos antes de sua morte, em 1969.
Seu trabalho ganhou uma atenção maior com a versão de “Jesus is a Mighty Good Leader” feita pelo Beck e por “Devil Got My Woman” ter feito parte da trilha sonora do Ghost World.
Skip James canta como se fosse um fantasma do passado, sussurrando em falsete enquanto utiliza sua técnica de dedilhar com três dedos, uma de suas principais características. Não se pode esperar muita qualidade depois dos 70 anos que se passaram desde a gravação, mas mesmo com o som abafado suas canções continuam maravilhosas.
A sensação de nostalgia ao ouvir os clicks e o chiado é impressionante.

Skip James – 1931 Sessions (2008) [Mississipi Records]

Final Fantasy

setembro 11, 2008

Um dos discos mais esperados do ano, pelo menos por aqui, é o Heartland do canadenseFinal Fantasy. Li algumas entrevistas em que ele diz que o disco vai ser conceitual, baseado em um reino ficcional chamado Spectrum. Fico imaginando algo como o Ys da Joanna Newsom. Enquanto o disco não sai, Owen Pallett está gravando a trilha sonoro para o próximo filme do Richard Kelly e lança dois EPs limitados, o Spectrum, 14th Century e o Plays to Please.

Plays To Please foi gravado com a ajuda do The St. Kitts Quartet e é distribuído pelo selo canadense Slender Means Society. Os arranjos das canções estão bem mais refinados em comparação com o que já ouvimos do Final Fantasy. Serve para deixar os fãs esperando ansiosamente pelo lançamento (ou “vazamento”) do disco no fim do ano.
O Spectrum, 14th Century foi gravado no ano passado com o pessoal do Beirut e é de uma beleza incrível. O disco tem uma ambientação campestre (de mentirinha), soando como se o mestre Alan Lomax tivesse produzido e gravado as canções. Talvez seja o EP que mais se aproxime do que ouviremos em Heartland.

Ele toca dia 17 em São Paulo e quem for, provavelmente vai ouvir algumas das músicas novas. Imperdível para quem mora na cidade.

Final Fantasy – Spectrum, 14th Century (2008)

Final Fantasy – Plays To Please (2008)

“Idiots”. It’s for you.

setembro 5, 2008

Não sou um grande conhecedor da música clássica e nem me arrisco a analisar alguma obra, muito menos a do mestre Ennio Morricone. A frase do titulo foi retirada daquele que talvez seja o filme mais completo da história: Il Buono, il brutto, il cattivo. Uma grande porcentagem de todas as sensações que esse filme transmite se deve a trilha sonora.
Mas esse é apenas um exemplo da grandiosidade de sua obra completa. Poderia citar maravilhas sonoras como Cinema Paradiso, Os Intocáveis, Antes da Revolução e os filmes do Sergio Leone, claro.
Esse DVD foi gravado em 2003 na Itália e mostra o mestre conduzindo seus melhores trabalhos na maravilhosa Arena. Um deleite para o seu fim de semana.

Ennio Morricone – Arena concerto (2003)