Posts Tagged ‘will oldham’

shows do Will Oldham

outubro 24, 2008

E saiu as datas do show do bardo barbudo:

27/11: Studio SP (São Paulo)
28/11: Boomerang Bar (Salvador)
30/11: Santander Cultural (Porto Alegre)

Show imperdível para quem mora nessas cidades. E para quem compartilha da infecilidade de morar longe do grande circuito de shows, se contente com o Lie Down in the Light, um dos grandes discos desse ano.

Anúncios

Horse Feathers

setembro 16, 2008

O tempo que gasto para ir da minha casa até o trabalho é uma hora sagrada para ouvir música. Não sei por que, mas o fato de eu ainda estar meio sonolento ajuda na minha percepção auditiva. Sempre procuro ouvir um disco que sejam calmos o suficiente para não incomodar minha sonolência. Nos últimos dias esse disco tem sido o fantástico House With No Home, do Horse Feathers.
O disco é um apanhado de detalhes minimalistas dentro do cânone “americana” (uma das diversas vertentes do folk) que combinam perfeitamente com as poucas frases emitidas. Uma bela audição para quem gosta de Bon Iver, Will Oldham e coisas antigas do Iron & Wine.

Horse Feathers – House With No Home (2008) [Kill Rock Stars]

pixel art sem pixels

agosto 26, 2008

Eu adoro pixel art e fico surpreso quando acho algo diferente nesse estilo. O inglês Craig Robinson pintou alguns retratos com tinta acrílica, fazendo uma simulação da utilização dos pixels. O site dele é fantástico, principalmente o trabalho dele com cartazes.
Vou começar a usar esse do Will Oldham como avatar…

off-road movie

agosto 15, 2008


Tem momentos em que o silêncio fala mais forte e alto do que qualquer palavra. O filme Old Joy (2006) se baseia nisso para mostrar o vazio deixado pelo tempo entre a amizade de dois amigos que não se vêem há algum tempo.
Fui atrás desse filme só por causa do Will Oldham e do Yo La Tengo. Não conhecia nada do diretor Kelly Reichardt e fiquei surpreso com a simplicidade e minimalismo absurdo desse filme sobre a amizade.

Baseado em uma história curta de Jonathan Raymond, que também escreveu o roteiro junto com o diretor, o filme mostra Mark (Daniel London) e Kurt (Will Oldham), velhos amigos que resolvem fazer uma caminhada pela floresta de Portland, em direção a uma estação natural de águas térmicas. Durante o passeio de dois dias, eles conversam sobre os velhos tempos e sonhos nunca realizados.
Em um certo momento, Kurt comenta sobre um sonho que teve onde ele estava comprando um caderno de anotações e uma mulher o abraça e diz que “tristeza não é nada mais do que alegria desgastada”. O vazio na amizade é essa alegria desgastada. Essa velha alegria.
E como toda jornada tem um fim, a dos dois terminam na mesma rua em que se conheceram, quase que completando o circulo da amizade. É uma despedida sem cerimônias, nada comparado aos momentos íntimos que tiveram enquanto estavam entre as árvores. Fica a incerteza de como tudo vai continuar, mesmo parecendo que tudo continua a mesma coisa.
Outra coisa que me chamou a atenção foi a fotografia do filme, feita por Peter Sillen em Super 16mm (convertido depois para HD). As cores da floresta de Portland são radiantes! E a trilha sonora delicadamente feita pelo Yo La Tengo segue o ritmo do filme de forma perfeita, quase imperceptível.

Old Joy é um road movie diferente. Sem carros e estradas, somente dois caras buscando uma reflexão sobre o estado em que estão. Um filme sobre e para homens simples.


[Torrent + Legendas]